Your browser does not support JavaScript!

Blog

Malhar pode doer: veja as lesões mais comuns na musculação

Joelho, lombar, ombros: ortopedista Adriano Leonardi fala sobre os problemas mais comuns que podem ocorrer com quem frequenta a academia sem orientação adequada

Por Adriano Leonardi, São Paulo
29/04/2018 08h12 Atualizado 29/04/2018 08h12

Esther Max -- CC-BY

Esther Max — CC-BY

A musculação é um dos exercícios mais emblemáticos de todos os esportes. Ao longo da história, as pessoas se envolveram na prática para ficar mais fortes, aumentar a massa muscular e desenvolver forma física. Hoje a academia é utilizada tanto na periodização de outras modalidades, como corrida de rua , ciclismo, dança, ou no treino de força e hipertrofia.

Os benefícios da musculação são indiscutíveis. Incluem a tonificação muscular com consequente aumento do metabolismo basal; auxílio na prevenção de osteoporose, especialmente em mulheres; aumento da força, facilitando atividades da vida diária; fortalecimento da coluna vertebral, prevenindo problemas como hérnias e protrusões discais; diminuição das chances de uma diabete por auxiliar no equilíbrio da taxa de glicemia sanguínea; melhoria no sistema imunológico e digestório; melhoria do equilíbrio, especialmente em praticantes da terceira idade; ajuda na gestação, com menor incidência de cãibras e menorprobabilidade de desenvolver varizes; e melhora humor, com ganho na autoestima.

No entanto, a prática sem orientação pode se tornar perigosa. Confira abaixo algumas das lesões mais comuns da musculação:

Lesões no joelho

Apesar de ainda ser controverso, estudos biomecânicos indicam que um fator muito importante a ser levado em conta é a angulação em que o joelho é submetido durante o treino. Sabe-se hoje que algumas máquinas de cadeia cinética fechada, nas quais trabalham-se o joelho, tornozelo e quadril ao mesmo tempo, como o leg press, por exemplo, quando praticado em uma em angulação acima de 60° gera um vetor de reação articular muito grande, com consequente hiperpressão na cartilagem, podendo levar à lesão. Já as máquinas de cadeia cinética aberta, na qual apenas o joelho trabalha durante a contração, como na cadeira extensora, esta hiperpressão ocorre quando o joelho está muito próximo de ficar completamente esticado. Novamente: o fator mais importante aqui é a boa execução do movimento, sendo observado por um professional qualificado.

Lesões no ombro

Classicamente o aumento súbito da carga em exercícios como o supino e elevação lateral, quando associados a movimentos descoordenados podem levar à chamada síndrome do impacto do ombro, uma das maiores causas geradora de dor e disfunção se tratando de ombro, de caráter crônico, tendo como principal sintoma a dor que piora à noite e ao levantar o braço, além de crepitação local (estalos), fraqueza e dificuldade nas atividades de vida diária.

É descrita como um pinçamento nessa região, e em muitos casos pode decorrer de movimentos repetitivos do braço em abdução (abertura lateral) ou em flexão de 70° a 120° de ombro (braços antes da linha do ombro até acima da cabeça), além da ação combinada de outros quatro fatores como vascularização, degeneração, trauma e a anatomia do ombro.

Lesões musculares

A história clínica é marcada por dor súbita localizada de intensidade variável, algumas vezes acompanhada de um estalido audível ou de uma sensação de pedrada e perda imadiata de força. A intensidade dos sinais e sintomas pode variar de acordo com a sua gravidade.

A lesão pode gerar um defeito (área de depressão local ou “gap”) visível ou palpável. A presença de hematoma tem o significado de uma lesão de maior extensão e gravidade. A contração contra resistência revela dor local e impotência funcional, caracterizada pela incapacidade de se mover a articulação.

Apesar da incidência das lesões musculares na musculação ser menor que em outros esportes, como a corrida e o futebol, o tratamento inclui fisioterapia, iniciada o mais rapidamente possível. Os critérios para o retorno ao esporte são: a flexibilidade semelhante ao membro contralateral, amplitude de movimento normal, ausência de dor e critérios de força muscular semelhantes aos valores prévios à lesão ou ao membro contralateral (acima de 80%).

Referências

– OLIVA, O. J., BANKOFF, A. D. P., ZAMAI, C. A.; Possíveis lesões musculares e ou articulares causadas por sobrecarga na prática de musculação.Rev. Brasileira de Atividade Física e Saúde, Campinas, v.3, n.3,p. 15-23, 1998.

– SOUZA, R. F. C., JÚNIOR, A. A. P.; Prevalência de dor lombar em praticantes de musculação. Rev. da Unifebe, Santa Catarina, 2010.

– CLEBIS, N. K., NATALI, M. R. M., Lesões musculares provocados por exercícios excêntricos.Rev. Bras. Ciên. e Mov., Brasília, v.9, n. 4, p. 47-53, 2001.

– CARDOSO, M.; Presença de dor em praticantes de exercício físico em academias nas diferentes modalidades. Trabalho de Conclusão de Curso, Criciúma, 2011.

*As informações e opiniões emitidas neste texto são de inteira responsabilidade do autor, não correspondendo, necessariamente, ao ponto de vista do Globoesporte.com / EuAtleta.com.

Médico do esporte e ortopedista especialista em traumatologia do esporte e cirurgia do joelho. Vice-presidente da Sociedade Brasileira de Medicina de Ambientes Remotos e Esportes de Aventura.

Fonte: https://globoesporte.globo.com/eu-atleta/saude/noticia/malhar-pode-doer-veja-as-lesoes-mais-comuns-na-musculacao.ghtml

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInEmail this to someonePin on PinterestShare on Reddit

Comente

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong> 

Obrigatório

 
  • Publicidade